O lado político da luta ciclo-ativista

O PSDB, partido do ex-presidente FHC – das privatizações, da venda da Vale dentre outras “valorosas” atitudes orientadas pelo Consenso de Washington; parece ter definido o nome do atual prefeito de Curitiba, Beto Richa, como candidato ao governo do Estado.

A Bicicletada, movimento de organização espontânea (Critical Mass), já está consolidada em nossa cidade. No último sábado do mês, nunca menos de 100 ciclistas ocupam as ruas centrais da capital para manifestarem, de forma alegre e pacífica, sua preocupação com o destino do planeta, apresentando a magrela como um meio de transporte que pode contribuir, e muito, para um Mundo menos poluído.

-Tá…mas qual a ligação, qual o nexo, entre o primeiro e o segundo parágrafos ? Há um escandaloso erro de continuidade, ou eu estou enganado ?

Então, vamos tentar dar algum sentindo às coisas.

Todos sabemos (falo isto me incluindo como alguém que participa da Bicicletada) o que queremos. A possibilidade de fazer da magrela nosso meio de transporte para o trabalho, para o estudo e como meio de transporte e, para isto, precisamos de ciclofaixas, ciclovias, respeito no trânsito e condições mínimas de segurança. Quem primeiro deve prover estas condições, são os gestores do poder público em nossa cidade: prefeito e vereadores. Mas vale ainda a lembrança que estes, nada mais são do que os representantes da maioria da população (ao menos deveriam ser), escolhidos pelo voto; e não os representantes de pequenas oligarquias (como a do transporte coletivo por exemplo) ou dos interesses comerciais deste ou daquele grupo de empresas e corporações.

Nossa causa é legítima e encontra respaldo e apoio, no sorriso das pessoas que se congratulam com nossa manifestação; que perguntam: “-como faço pra participar deste ‘passeio’ ?”; que também querem sair de magrela mas não se sentem suficientemente seguras – por pura falta de estrutura urbana – para tanto.

Se temos uma causa justa e temos representantes para lhe dar cabo, então por que as coisas não acontecem ?

Eu ousaria dizer que, nossos representantes ou não estão suficientemente sensibilizados pelo forte apelo do que reivindicamos, ou não nos representam, minimamente,  a contento. Olhando para a Bicicletada, vejo também que, talvez já esteja na hora de ousarmos novas possibilidades e, olhando para frente, acredito sim que devemos nos organizar de forma mais orgânica, criando uma Associação ou coisa que o valha. Esta ideia do Goura tem todo meu apoio e, entendo que, mais organizados, haveremos de ser mais incisivos em nossas ações e reivindicações, o que só faria avançar nossas possibilidades de algumas conquistas.

O atual prefeito, se comprometeu a receber os ciclistas para conversar, isto eu ouvi dele quando estava tirando a foto acima e, também, saiu na Gazeta do Povo , pois então ?!? Candidato ao governo do Estado, desejoso de nos representar numa esfera superior de Governo, haverá o Beto Richa de cumprir o que nos prometeu ? Ou “não terá tempo” para nos receber, mesmo porque a bicicleta é mais um “problema” do que uma das soluções.

Quanto mais organizados, mais respaldados e respeitados; quanto mais respeitados, maiores as changes de sermos recebidos, ouvidos e, principalmente, atendidos em nossos interesses.

E isto é só um pouco, do lado político da luta ciclo-ativista !

Comentários

Comentários

Powered by Facebook Comments

Este QR-Code permite acessar o artigo pelo celular. QR Code for O lado político da luta ciclo-ativista